Síndrome do Ninho... e um despedir...

Apercebo-me que está, realmente, para muito breve. Mais até do que eu possa pensar. E é nesse preciso instante que sinto uma vontade, quase inexplicável, de garantir que tudo está perfeito para a chegada dele.
A empregada passou o dia inteiro nas limpezas, mas no final eu tive de ir dar o meu toque porque isto das limpezas também tem o seu lado psicológico – e quando feito por nós, fica sempre mais bem feito (mesmo que a empregada seja eximia nas suas tarefas).

A lista de compras parece não terminar e o Nuno lá me tenta chamar à razão “O supermercado não vai fechar amor… não vamos entrar em guerra, tem calma!”… mas sinto-me mais tranquila se souber que tenho tudo pronto, tudo organizado, tudo sob controlo.
Mentalmente, vou enumerando os itens que já tenho na arca para os primeiros tempos. Será que isto, isto, aquilo  e ainda isto é suficiente? Ah, mas ainda tenho também isto e isto e várias outras coisas – porque mulher prevenida vale por duas.

Respiro fundo e olho à minha volta. Ah… sim! Está tudo perfeito. Tudo em ordem como eu gosto. Sento-me na poltrona e sei que ele já pode vir para casa… agora sim.

E, com mais pena do que ainda há uns dias atrás julgava possível, lá me vou despedindo da minha barriga, da minha companhia constante, dos pontapés e soluços que me faziam esquecer todo o restante desconforto. Guardarei sempre comigo as lembranças do que era ter-te dentro de mim.
Mas agora estamos na reta final. Agora, finalmente, chegou a hora de te conhecermos…






Bom Apetite, Su

Vintage Port & Wild Berries Dark Truffles - Trufas Negras de Porto Vintade & Frutos Silvestre

[English version down]

Tive o prazer de ter sido convidada pelos autores do Weird Combinations e do From Donuts to Delirium a participar num cook of  de Trufas. A receita base é a da fabulosa Ina Garten e o resto é puro devaneio.



Confesso que me deu um gozo tremendo fazer as trufas e ver o resultado final. Meti na cabeça que tinha de fazer trufas com recheio, mas o facto é que não encontrei nenhuma técnica de o fazer sem ser recorrer aos moldes redondos que dão um aspeto demasiado perfeito às trufas o que acaba por torna-las, a meu ver, mais bombons do que trufas.
Vai daí, toca de puxar pela imaginação e tentar encontrar uma forma de fazer o esquema funcionar. O chef Nuno ajudou na elaboração e na definição da técnica e, apesar de poder não ser a melhor ou mais indicada, o facto é que funcionou.



Devo dizer que a primeira tentativa – nunca tinha feito trufas – saiu gorada já que as minhas conversões de medidas são sempre um desastre. À segunda foi de vez e devo dizer que estas trufas ficaram simplesmente deliciosas. E o aspeto… bom, acho que na sua imperfeição, ficaram simplesmente perfeitas.






O amargo do chocolate negro com o travo do vinho do porto e frutos silvestres são, nada menos, do que uma explosão de indulgência na língua…


*********************************************************************

I’ve had the pleasure to be invited by the authors of Weird Combinations and From Donuts to Delirium to participate in a Truffles cook of. The basic recipe is from the fabulous  Ina Garten and the rest is pure reverie.

I have to confess that it was a tremendous pleasure to make these truffles and to observe the final result. I made my mind that I just had to make truffles with a filling, but the fact is that I didn’t get to find any technique of doing so other than using the round molds that confer the truffles a to perfect look that ends up turning them, in my opinion, more bonbons and less truffles.
And so, let’s put the imagination to work and try to find a way to make this work. Chef Nuno helped in the elaboration and in the technique definition and, although this may not be the most perfect or suitable way of doing so, the fact is that it actually worked.

I must say that my first attempt  – I have never made truffles before – got frustrated since my measure conversions are always a disaster. The second attempt worked perfectly and I have to say they turned out simply delicious. And the appearance… well, I think that in their own  imperfection, they resulted just perfectly.

The bitterness of the dark chocolate combined with the Port and red berries flavor is, nothing less, than an indulgent explosion in the tongue…


Neste cook of the Trufas participaram também, para além de mim, os seguintes chefs:
This Truffle cook of had the participation, other then my own, of the following chefs: 
Heavenly Housewife
Stevie
Joumana
Shelly
Karen
Erika
The Baking Addict


Ingredientes / Ingredients

Para a gelatina de vinho do porto e frutos silvestres / To the Port and red berries gely:
  • 12 Folhas de gelatina incolor / 12 leefs of no flavor gely
  • 20 gr Açucar baunilhado / 20 gr Vanilla sugar
  • 100 gr Compota de frutos silvestres / 100 gr Red berries jam
  • 2 c. sopa de Vinho do Porto Vintage (ou outro) / 2 tbls Vintage Port Wine (or other type)
Para as trufas / To the truffles:
  • 225 gr Chocolate negro de culinária / 225 gr Dark Chocolat
  • 200 gr natas cremosas /  200 gr cream
  • 1 c. sopa vinho do Porto / 1 tbls Port wine
  • 1 c. chá de essência de baunilha / 1 tsp vanilla extract
  • Cacau em pó q.b. / Cocoa powder
Preparação / Steps

Gelatina de vinho do porto e frutos silvestres / Port and red berries gely:
1. Colocar as folhas de gelatina de molho em um pouco de água
1. Put the gely leefs emerged in a little water for a while.

2. Juntar o açucar  com a geleia e um pouquinho de água. Levar ao lume brando ate que o açucar se dissolva e a geleia derreta.
2. Mix the sugar with the jam and a little bit of water in a small pan. Bring  it to a heat, mixing well, until it blends.

3. Retirar do fogo e adicionar o vinho de Porto.
3. Remove from heat and add the Port wine

4. Espremer a gelatina e dilui- la em 1 chávena (de chá) de água fervendo.
4. Squeeze the gely leefs and dissolve them in a cup of boiling water.

5. Adicionar à mistura de vinho do Porto e frutos silvestres.
5. Add to the misture of the Port wine and berries.

6. Com a ajuda de um funil, colocar o liquido dentro de um saco de cubos de gelo e levar ao frigorifico ate solidificar
6. Using a funnel, fill a ice cubes bag with the prepared gely and take that to the fridge until solidification.

7. Uma vez solidificado, use um molde redondo de forma a extrair pequenos cilindros dos cubos formados. Eu usei um descaroçador de maçãs. Descarte os pedaços de plástico do saco de gelo.
Reserve os cilindros obtidos.
7. Once solified, use a roud mold to shape small balls. I used an apple lump remover. Discard the plastic and reserve the small balls obtained. 



Trufas / Truflles:

1. Corte o chocolate em pedaços pequenos e coloque numa taça à prova de calor. Junte o pacote de natas e leve ao lume em banho Maria até que o chocolate comece a derreter.
Antes de derreter por completo, retire do lume e mexa bem de forma a obter um creme homogéneo.
1. Chop the chocolat into small pieces and place them in a heat-proof mixing bowl

2. Junte o vinho do porto e a essência de baunilha e envolva bem.
2. Whisk in the Port and vanilla extract.

3. Disponha o chocolate num recepiente quadrado não muito grande, e insira cada cilindro afundando-o no chocolate, de forma a que fiquem ligeiramente espaçados entre si. Leve ao frigorifico cerca de 4 horas, ou até que solidifique totalmente.
3. Place the chocolat in a sqare, not to big, bowl, and insert each gely ball. Sink it in the chocolat in a way that they stay sparse between themselfs. Put in the fridge for 4 hours or until it gets solified.

4. Com a ajuda de uma colher vá retirando porções de chocolate com cada um dos pedaços de gelatina e molde-os na mão de forma a obter uma bola recheada - não necessita ficar perfeita, já que o objetivo das trufas é ficarem ligeiramente deformadas à semelhança das verdadeiras trufas.
4. With the help of a small spoon, get portions of chocolat with the gely balls and, in your hands, mold them until you get a filled truffle - it doesn't have to be perfect since the goal is to look like the true truffles.

5. Passe cada trufa pelo cacau em pó, envolvendo bem, disponha-as sobre papel vegetal e leve ao frigorifico novamente para solidificarem.
5. Coat each truffle in the cocoa powder and place them in parchment paper. Take them back to the fridge.

6. Saboreie com um cálice de um bom vinho do Porto vintage.
6. Enjoy with a nice Vintage Port glass.


Bom Apetite, Su

Caramelles au Salmon

Um nome francês numa receita dá-lhe sempre um toque especial, não é?

Hoje faço o post em direto, a partir da minha varanda. Sento-me na mesa de madeira, com uma torrada e uma chávena de leite com café, enquanto a sombra do chapéu me protege do sol que hoje lá se vai mostrando por trás das nuvens mais atrevidas. Está uma temperatura tão agradável…
Tento relaxar e saborear as vantagens de poder trabalhar a partir de casa o que, nesta fase, é uma benesse muito bem vinda.



Desde que descobri a massa fresca, não me canso de experimentar formas e recheios novos. A ideia de fazer raviolis em forma de rebuçados veio do livro Cozinhar com Jamie Oliver, mas optei por fazer um recheio e molho de recriação própria.
Para quem, como eu, adora queijo creme e salmão esta é, definitivamente, uma receita a experimentar. E modéstias completamente à parte, achei que fica com uma apresentação lindíssima. Leve, fresca e com as cores vibrantes dos pequenos tomates cherry, quase nos transporta às vinhas belíssimas do interior de Itália.







Ingredientes

  • Massa fresca
  • Queijo creme fresco Natural
  • Salmão fumado
  • 2 folhas de Salva
  • Sumo de limão
  • Sal e pimenta
  • 1 noz de creme vegetal (usei Alpro Soya)
  • 1 dente de alho picadinho
  • Tomates cherry a gosto
  • Creme balsâmico (opcional)

Preparação

1. Esticar a massa fresca e dispor numa superfície polvilhada de farinha. Cortar pequenos rectângulos e  pincelar com água nos rebordos.

2. Juntar o queijo fresco, o salmão picado, a salva picada e o sumo do limão. Temperar de sal e pimenta e envolver bem formando uma pasta.

3. Colocar 1 c. sobremesa de recheio no centro de cada rectângulo e enrolar dando a forma de um rebuçado.

4. Aquecer um pouco o creme vegetal e assim que começar a borbulhar adicionar o alhinho picado e deixar 1 minuto. Juntar os tomatinhos cherry e deixar amolecer.
Temperar com sal e pimenta e um fio de balsâmico (opcional)

5. Cozer a massa em água fervente durante cerca de 5 a 6 minutos - leva um pouco mais tempo para que as extremidades do 'rebuçado' cozam bem - e sirvir com o salteado de tomates.



Bom Apetite, Su

Salmão com Molho de Frutos Silvestres e Dijon

Um destes dias é o dia. Não sei quando exatamente, mas o Rafael está pronto a nascer. As caminhadas têm sido uma constante depois do almoço e do jantar, e confesso que o peso da barriga já é demais para as minhas pobres perninhas.
Vou usando e abusando, também, dos condimentos, especiarias e sabores picantes com esperança de que realmente ele venha cá para fora para me aliviar o desconforto, mas sobretudo porque mal posso esperar para lhe conhecer o rosto, os traços, a personalidade.

E foi assim que, inspirada por alguns cantos e recantos, me inspirei para dar um toque mais picante ao meu, tão amado, salmão.
O resultado? Simplesmente fantástico, picante como se queria, e este molho vai perfeitamente com uma carne vermelha da mesma forma que foi com o salmão. Definitivamente para repetir… antes e depois do bebé nascer.




Ingredientes

  • 1 Lombo de salmão
  • 1 c. sopa de compota de frutos silvestres
  • 1 c. sopa de vinagre balsâmico
  • 1 c. sopa de mostarda Dijon
  • 1 c. chá de flocos de piri-piri
  • Sal e Pimenta q.b.

Preparação

1. Temperar o lombo de salmão com sal e pimenta e dispôr num quadrado de folha de aluminio. Fechar, tendo o cuidado de deixar espaço para que o vapor circule, e levar ao forno pré-aquecido a 220º por 15 minutos.

2. Numa frigideira colocar a compota, o vinagre, mostarda e os flocos de piri-piri e aquecer. mexendo sempre até que se forme um molho homogéneo. Deixar reduzir um pouco.

3. Servir o lombo de salmão com o molho por cima. 

Bom Apetite, Su

Linguini Nero de tamboril aromatizado... e um prémio.

É curioso que costumo dizer que nunca tenha sorte e nunca ganho nada em questão de concursos. Mas o facto é que, se pensar bem, isso até nem é verdade. As poucas vezes que me dei ao trabalho de concorrer a alguma coisa acabei quase sempre por ganhar algo.
E foi por brincadeira que concorri com estes Raviolis ao passatempo Receitas D’Itália promovido pela Nestlé. E não é que ganhei mesmo?!
O prémio foi um belíssimo conjunto de 1 travessa e 2 taças grandes da Vista Alegre, num vibrante laranja que vai lindamente com a decoração da minha varanda.



Estreei este conjunto já este fim-de-semana, com este delicioso linguini nero de tamboril fresquinho, que aromatizei com algumas especiarias e picante de deixar a boca quente durante a hora seguinte à refeição – é que, segundo consta, as comidas muito condimentadas podem ajudar a antecipar o trabalho de parto… e neste momento é o que se quer.






Ingredientes

  • 400gr Linguine nero de sépia
  • 3/4 postas de tamboril
  • 1/2 lata de tomate pelado em pedaços
  • 1 c. sopa de concentrado de tomate
  • 1/2 cebola
  • 1 dente de alho
  • Azeite q.b.
  • Sementes de coentro moídas na hora
  • Flocos de piri-piri
  • 3 Folhas de Salva
  • Sal

Preparação

1. Arranjar as postas de tamboril, remover a pele e espinhas e partir em pedaços.

2. Com o copo em funcionamento na vel 5-6, introduzir a cebola e o alho de forma a picar. Juntar um fio de azeite e as folhas de salva picadas e programar 3 minutos, T100º vel 1.

3. Juntar o tomate em pedaços e o concentrado e programar mais 3 minutos, T100º, vel 1.

4. Triturar um pouco o molho durante uns segundos na vel 7-8.

5. Colocar a borboleta e adicionar água a ferver - cerca de 700/800 gr. Juntar o peixe, as sementes de coentro, o piri-piri e temperal de sal. Programar 10 minutos, T100º, vel colher de pau.

6. Assim que perceber que a água está a ferver novamente, introduzir o linguini pelo bucal do copo auxiliando aos poucos para que a massa entre toda na água.
Ao longo da cozedura se achar que tem muito molho, pode programar para T Varoma de forma a que evapore mais água.

7. Servir a massa numa taça bonita e polvilhar com salsa.


Bom Apetite, Su

Enrolados de Peixe com Pasta de Tomate e Alcaparras ao Vapor sob Cama de Grelos

Esta é uma versão alternativa a uma outra sugestão já aqui deixada.
Julgo que por esta altura já todos perceberam como eu adoro tomates, molhos de tomates, pastas de tomates, etc. Gosto da acidez típica deste vegetal vermelho e, muito honestamente, acho que vai bem com rigorosamente tudo.
Há quem goste  de retirar as sementes, outros há que gostam de quebrar a acidez com açúcar. Já eu sou uma puritana no que ao tomate diz respeito. E é por isso que uso e abuso deste ingrediente. Além do que é um alimento extremamente benéfico para a nossa saúde.

E estes rolinhos resultaram lindamente como uma combinação de sabores inusitados e surpreendentes.



Tomate 
"O carotenóide Licopeno encontrado no tomate tem sido extensivamente estudado pelas suas propriedades antioxidantes e propriedades de prevenção do cancro.
A função antioxidante do licopeno tem a capacidade para ajudar a proteger as células e outras estruturas do corpo dos danos do oxigênio.
Prevenção de doenças do coração é um outro papel desempenhado pelo antioxidante licopeno.
O licopeno ajuda a proteger não só contra  o cancro da próstata, mas também de mama, do pâncreas e do intestino, principalmente quando consumido com alimentos ricos em gordura, como abacate, azeite de oliva ou castanhas.

É uma fonte muito baixa em calorias e gorduras, mas rica em fibras alimentares, minerais, vitaminas, recomendado no controle de colesterol e os programas de redução de peso.
É uma boa fonte de vitamina C; o consumo de alimentos ricos em vitamina C ajuda o corpo a desenvolver resistência contra agentes infecciosos e varrer os radicais livres prejudiciais."
Fonte daqui

Ingredientes

  • Filetes de peixe (usei de peixe panga)
  • Pasta de tomate concentrado q.b.
  • Alcaparras a gosto
  • Leite
  • Limão
  • Alho picado
  • Sal e pimenta
  • Grelos cozidos q.b.
Preparação

1. Temperar os filetes de peixe-gato com leite, limão, alho picado, sal e pimenta. Deixar marinar uns minutos.

2. Misturar as alcaparras com a pasta de tomate.
3. Dispôr o filete de peixe numa superficie e barrar com a pasta anterior. Enrolar os filetes - não necessita de palito.

4. Colocar na Varoma sob uma 'caixinha' de papel de aluminio e programar Temp Vamora , por 25 minutos, vel 1.
5. Dispôs or grelos num montinho no prato e, por cima, dispôr um filete enrolado.


Bom Apetite, Su

Oaten "Irish" Rolls da Nigela... e da Su

Talvez seja dos genes que me correm nas veias – ou não fosse a minha mãe cozinheira profissional – mas parece que eu não consigo executar uma receita de fio a pavio sem introduzir um toque meu.
E foi isso precisamente que fiz nesta receita da Nigella Lawson de pãezinhos de aveia irlandeses. Julgo que o adjectivo Irlandês viria da cerveja stout que a receita pedia, mas que eu substituí por leite.





De qualquer forma devo dizer que estes ganharam entrada direta para a minha lista favorita de pãezinhos sendo, sem dúvida nenhuma, dos melhores que já fiz. Têm uma textura crocante por fora mas fofa e leve por dentro e têm um sabor ligeiramente adocicado que funciona lindamente.
São perfeitos para levar para o trabalho com recheios como queijo creme Light com umas fatias de fiambre de frango e umas rodelas de tomate ou simples pasta de tomate com fatias de queijo magro e umas folhas de espinafres e/ou alface.





Mas são igualmente perfeitos, apenas aquecidos na torradeira com um pouco de manteiga – ou, no meu caso, creme Soya Alpro Light.




Ingredientes (receita adaptada)

  • 300 gr Farinha integral
  • 100 gr Farinha de Aveia (receita original pede apenas 400 gr de Farinha Integral)
  • 100 gr flocos de Aveia
  • 1 c. chá de sal
  • 2 c. chá bicarbonato de sódio
  • 300 gr leite magro (ao invés da cerveja preta stout)
  • 200 gr iogurte magro natural (+- 2 iogurtes) (receita original pede 150gr iogurte)
  • 3 c.chá óleo de sésamo (receita original pede 4x15ml c. chá óleo de amendoim)
  • 2 c.chá de mel (receita original pede 4x15ml c. chá de mel)

Preparação

1. Pré aquecer o forno a 220º

2. Colocar todos os ingredientes no copo da Bimby e programar 40 segundos, vel 6.

3. Moldar pequenas bolas e dispôr num tabuleiro de silicone (ou em papel vegetal). A massa estará pegajosa, pelo que não deve preocupar-se muito com a forma perfeita inicialmente e assim que colocar todas as porções deve então aperfeiçoa-las.

4. Polvilhar com flocos de aveia e levar ao forno durante 15 minutos.


Notas:
Tal como já sugeri por aqui, depois de feitos eu abri-os ao meio e congelei individualmente envoltos em prata. De manhã é só retirar e rechear a gosto.

Bom Apetite, Su

Spaghetti de Vieiras, Lagosta e Camarão... e muito sabor a Verão

Estes dias de calor e o sol esplendoroso funcionam, para mim, como um carregar baterias após a estação fria. Sinto vontade às roupinhas leves, curtas e veraneantes, sinto vontade da praia e de comer na varanda, apreciando o ar livre. Sinto vontade de ir jantar fora com ele a um bom restaurante, em que nos aprimoramos com todo o rigor e de seguirmos, então, para uma discoteca a fim de libertar as energias a dançar noite dentro.
E eu mal posso esperar pelo Verão grandioso que se aproxima. Um Verão, com toda a certeza mais completo e rico, talvez com um inicio um pouco cansativo como será compreensível, mas sem abdicar de todas as vontades mencionadas. Porque, acredito piamente, que este ano só nos trará incrementos positivos na nossa vida e não, em absoluto, qualquer tipo de decremento.

E enquanto não chega, vou aproveitando para me preparar, para carregar as pilhas o máximo que conseguir, e lá vou trazendo para a mesa os sabores que tipicamente me transportam às férias, à praia, ao mar…



Ingredientes

  • 1 embalagem de esparguete
  • 1 rabo de lagosta
  • 500 gr camarão médio
  • 500 gr vieiras
  • 1 fio de azeite
  • 1 cebola
  • 1 lata de tomate pelado
  • Vinho branco q.b.
  • Flocos de piri-piri moído
  • Creme vegetal q.b.
  • Sal
  • Pimenta

Preparação

1. Cozer o rabinho de lagosta em água fervente durante cerca de 5 minutos. No final retirar, remover a casca e partir em pedaços. Reservar.
2. Numa frigideira anti-aderente, colocar um pouquinho de creme vegetal e cozinhar as vieiras, previamente secas com papel absorvente, cerca de 2/3 minutos de cada lado. Reservar.

3. Cozer o camarão em água fervente. No final descascar os camarões, deixando as cabeças nalguns para decorar.

4. Com o copo da bimby em funcionamento na vel 5-6, inroduzir pelo bucal a cebola de forma a picar. Adicionar um fio de azeite e programar 3 minutos, T100º, vel 1. 

5. Juntar o vinho branco e o tomate, esmagando-o com a mão, e o suco do mesmo. Temperar com sal, pimenta e o piri-piri. Programar 5 minutos, T100º, vel 1.

6. Colocar a borboleta e juntar cerca de 400 gr de água a ferver - se for necessário adiciona-se mais água à posteriori. Programar 8 minutos, T100º, vel colher de pau. Pelo bucal introduzir o esparguete.

7. No final do tempo, a água deverá ter evaporado praticamente toda. Juntar os camarões sem cabeça, a lagosta e as vieiras e programar mais 1 minuto, T100º, vel colher de pau.

8. Retificar os temperos e servir decorando com os camarões com cabeça por cima.


Bom Apetite, Su

O que nunca pode faltar...

Nestes dias de solinho nada como aproveitar os parques das proximidades do local de trabalho para dar umas caminhadas na hora de almoço. E com um livro por companhia, faço a minha merecida pausa para comer como se de um piquenique se tratasse.
Nada como fruta fresquinha e uma sandes bem saudável composta por um maravilhoso pão integral caseiro, barrado de queijo creme sob fatias peito de peru, com umas folhas de alface ou espinafres baby quiçá, umas rodelas de tomate fresquinho e tudo o mais que a vontade ditar.

É por isso que no meu congelador nunca falta pãozinho caseiro congelado, por vezes em fatias, por vezes em bolinhas, o que importa é que está sempre disponível para retirar pela manhã seja para o pequeno almoço, seja para me acompanhar.



Este pãozinho foi a primeira tentativa que fiz com um preparado já pronto – especial para máquinas de pão que eu não tenho – mas que resultou num pão perfeito e delicioso. O preparado esse pode ser encontrado numa loja do IKEA, e no que toca a pães escuros atrevo-me a dizer que os alemães e suecos sabem o que fazem.




Pão de Trigo e Centeio Integrais


Ingredientes 
  • 500 gr preparado de pão de trigo e centeio integrais
  • 370 gr água morna
  • Flocos de aveia q.b.

Preparação

1. Colocar o preparado no copo da Bimby e adicionar a água. Programar 5 minutos, vel espiga.

2. Ligar o forno a 50º. Retirar a massa para um tapete de silicone e formar uma forma arredondada. Levar ao forno a levedar durante 30 minutos.

3. Findo esse tempo, alisar a massa com as costas de uma colher molhada e polvinhar com os flocos de aveia. Deixar a levedar por mais 30 a 40 minutos

4. Aumentar a temperatura do forno para 220º e colocar um recepiente com água dentro. Cozer o pão durante cerca de 45-50 minutos.*

Notas:
*A receita original pedia 60 minutos, e foi o que fiz, mas achei que ficou cozido de mais. Note-se que eu sou fã de pão/massa em geral mal cozidos.


Bom Apetite, Su

Bolonhesa de Frango

O molho bolonhesa é daqueles molhos que praticamente todos nós adoramos. E se hoje em dia já vamos tendo pizzas bolonhesas, lasanhas bolonhesas e outros que tais, o bom velho e tradicional esparguete continua a ser a minha forma favorita de acompanhar este molho.



E como lá por casa não há praticamente prato nenhum que não seja experimentado numa versão mais saudável, este também não foi exceção. Esta bolonhesa é de frango e devo dizer que em nada se fica atrás à original.
E esta é mais uma daquelas receitas que podemos fazer em quantidades maiores para depois congelarmos em doses para uso posterior.  




Ingredientes

  • 4 Peitos de frango semi-congelados*
  • 1 cebola
  • 1 cenoura
  • 2 dentes de alho
  • 1 embalagem de cogumelos frescos brancos
  • 2 latas de tomate pelado
  • 1 c. chá de pasta de tomate
  • Vinho branco q.b.
  • Azeite q.b.
  • 1 c. chá mostarda dijon
  • 1 c. chá de piri-piri moído
  • 1 c. chá de tomilho
  • Sal
  • Pimenta
  • Queijo Emmental (ou parmesão) para ralar.
Preparação

1. Arranjar os peitos de frango e cortar em pedaços. Introduzir parte dos pedaços no copo da bimby e picar durante alguns segundos na vel 9. Repetir para o restante. Reservar

2. Com o copo em funcionamento na vel 5-6, introduzir pelo bucal a cebola partida em quartos e os dentes de alhos de forma a picar. Adicionar um fio de azeite e programar 5 minutos, T100º vel 1.

3. Juntar a carne picada e colocar a borboleta, programar 10 minutos, T100. vel colher de pau. A meio do tempo parar e, com o auxilio de um garfo, ir separando a carne que tem tendência a aglomerar-se.

4. Partir a cenoura em cubinhos muito pequenos e picar finamente os cogumelos. Juntar à carne, misturando bem com o auxilio do garfo novamente. Juntar o vinho branco, o sal, pimenta, tomilho e mostarda. Programar mais 4 minutos, T 100º vel colher de pau.

5. Introduzir o tomate picadinho, juntamente com a pasta de tomate e programar mais 10 minutos, T100º vel colher de pau. No caso de notar que tem muito molho, poderá passar a temperatura para Varoma de forma a evaporar mais água.

6. Cozer o esparguete al dente, de acordo com as instruções da embalagem.

7. Dispôr o esparguete num prato e servir com a bolonhesa por cima e o queijo ralado.

Notas:
*A carne, quando picada na bimby, deve estar semi-congelada de forma a conseguir-se um resultado melhor. 

Bom Apetite, Su

Provavelmente a minha favorita...

O grande dia vai-se aproximando quase sem darmos por isso. A fase pré-parto do curso de preparação está praticamente a terminar, a malinha está feita e pronta para que a qualquer momento possamos seguir para a maternidade, a creche marcada – ou não fosse eu a planeadora que precisa de tudo bem organizado para se sentir confortável - o papá extremamente ansioso para conhecer o seu rebento e a mamã calma e serena e com muita vontade de chegar a hora.

Curiosamente, muito mais do que a hora do parto – pela qual até anseio na verdade – aquilo que me vai causando algum stress são temas mais relacionados com a fase do pós-parto:
- Conseguirei lidar bem com o stress de um recém-nascido e manter-me calma para lhe transmitir a tranquilidade que ele necessitará?
- Será que vou ser afectada pela melancolia e sintomas de depressão pós-parto comuns dessa fase?
- Irei ter muitos problemas até conseguir finalmente amamentar corretamente o meu bebé?
- Terei a tranquilidade e privacidade tão importantes nos primeiros tempos, sem ser necessário ser desagradável com os amigos/familiares que não compreenderem isso?
- Conseguirei recuperar a minha forma física que tanto anseio novamente?
- Serei uma boa mãe? Saberei corresponder às necessidades todas dos meu bebé?

Enfim, há um bilião de dúvidas que me assolam e que julgo serem perfeitamente normais. Mas no final do dia acredito e tenho a certeza que os meus instintos serão o meu fio condutor para garantir o que é melhor para ele, porque nunca ninguém saberá o que é melhor para o seu bebé do que os próprios pais.

Por isso, e enquanto não chega o dia, o melhor mesmo é relaxar, descontrair e descansar. E procurar algum conforto na comida.
Esta sopa é provavelmente a minha sopa favorita – sou completamente aficionada por tomates -, fácil e rápida de preparar é uma verdadeira sinfonia para o meu palato. Gosto da acidez e por isso não lha corto com qualquer tipo de açúcar como é comum nesta sopa, e gosto da textura não totalmente cremosa.




Sopa de Tomate e Mangericão


Ingredientes 
  • 1 cebola
  • 2-3 tomates maduros
  • 1 lata de tomate pelado
  • 3-4 folhas de Mangericão
  • Azeite q.b
  • Sal

Preparação

1. Dar dois golpes em forma de cruz em cada tomate maduro, colocá-los numa taça e cobri-los de água a ferver. Deixar por 2-3 minutos. Remover então a pele de cada um deles e cortar em pedaços.

2. Com o copo da bimby em funcionamento na vel 5-6, introduzir pelo bucal a cebola de forma a picá-la.

3. Adicionar um fio de azeite e programar 3 minutos, T100, vel 1.

4. Juntar o tomate picado e todo o conteúdo da lata de tomate. Juntar ainda as folhas de mangericão. Programar 10 minutos, T100, vel 1.

5. No final juntar água até obter a consistência desejada e temperar de sal. Programar mais 10 minutos, T100º, vel 1.

6. No final triturar durante alguns segundos na vel 7-8. Servir com umas folhas de mangericão e/ou alternativamente com um pouco de de queijo de cabra desfeito.


Bom Apetite, Su

Canelones Favos de Mel

O Jamie Oliver é um dos meus chefs da atualidade prediletos. E este livro é, sem dúvida alguma, dos livros mais interessantes de cozinha que tenho lá por casa. Gosto do facto de ele ter uma cozinha leve e prática, mas cheia de sabor e com muitas ideias inovadoras.




O maridinho já me tinha pedido para fazer esta receita há algum tempo e não passou deste fim-de-semana. É uma receita bastante demorada e elaborada, mas não propriamente difícil.
E, como na grande maioria das receitas que faço, esta também foi adaptada ao nosso gosto pessoal. Não usei o molho à base de natas e anchovas da receita original e no ragù introduzi mais variedade de cogumelos.



O resultado foi simplesmente fantástico, uns canelones diferentes com uma apresentação original e um sabor de chorar por mais.




Canelones Favos de Mel - receita adaptada de Jamie Oliver


Ingredientes

  • Queijo Emmental para ralar*
  • Tubos canelones q.b.
  • 1 mão cheia de cogumelos porcini secos
  • 1 cenoura descascada e cortada em cubinhos
  • 1/2 talo de aipo aparado e cortado em cubinhos
  • 1 cebola branca descascada e cortada aos cubinhos
  • 1 alho francês aparado e cortado fninho
  • 2 dentes de alho picados
  • 2 ou 3 cogumelos portobello
  • 2 ou 3 cogumelos shitake
  • 2 ou 3 cogumelos pleurotus
  • 3 latas de tomate pelado
  • 3 ou 4 folhas de mangericão
  • 200gr espinafres congelados
  • 80 gr farinha
  • 600 gr leite
  • 40 gr creme vegetal (Alpro Soya ou Becel)
  • Sal, Pimenta e noz moscada
  • Azeite q.b.
Preparação

1. Selecionar uma panela onde colocar os canelones na vertical. Deitar os cogumelos porcini numa taça e cubrir com água a ferver. Deixar de molho durante 5 minutos.

2. Colocar no copo da Bimby um fio de azeite e juntar a cenoura, aipo, alho francês e a cebola**. Programar T100º, vel 1 durante 10 minutos.

3. Juntar o alho picado e os restantes cogumelos picados grosseiramente. Retirar os porcini da taça, juntar ao preparado e programar T100º, vel colher inversa durante mais 5 minutos.
4. Juntar o liquido dos porcini com metade de uma chávena de água e programar T Varoma, vel colher inversa, 5 minutos de forma a reduzir um pouco.
5. Por fim juntar os tomates pelados picados e o mangericão picado. Temperar de sal e pimenta e programar T100º, vel colher inversa, 45m. No final do tempo reservar.

6. Cozinhar os espinafres no microondas durante 5 a 6 minutos na potência máxima.

7. No copo da Bimby, colocar um fio de azeite, juntar os espinafres e temperar com uma pitada de sal e noz moscada. Programar T100º, vel colher inversa, 8 minutos. Reservar.
9. Pré-aquecer o forno a 220º. No copo limpo colocar a farinha, o leite, o creme vegetal, sal e noz moscada. Programar T90º,  vel 4, 8 minutos.

10. Na panela selecionada deite um pouco de molho bechamel de forma a cobrir o fundo. Deite os espinafres por cima e polvilhe com parte do emmental ralado.

11. Cuidadosamente e com uma concha deite o ragù de cogumelos por cima e coloque os canelones na vertical. Empurre os tubos para dentro do molho. Deite o restante ragù*** com uma colher preenchendo os tubos. Cubra com o restante molho bechamel e polvilhe com o emmental.

12. Leve ao forno durante 30 minutos até alourar.

Notas:
*A receita original leva parmesão, mas como cá por casa o achamos um pouco forte decidi usar antes o emmental e devo dizer que funcionou na perfeição
** Optei por partir "à mão" os legumes de forma a obter um ragù mais definido. Contudo para se poupar tempo pode colocar-se o copo em funcionamento e deitar os mesmos pelo bucal de forma a picar.
*** Nota ainda para o facto de achar que era pouco ragù, pelo que acabou por levar mais molho bechamel do que estava a prever. Como não usei as quantidades da receita original, sugiro que se aumente para ter molho suficiente. Na receita original:
- 3 cenouras
- 4 talos de aipo
- 5 latas de tomate

Como deu bastante quantidade aproveitei para congelar em caixinhas de prata para mais 2 refeições para ambos, e aumentei assim o stock de preparação para a chegada do bebé.


Bom Apetite, Su
09 10